Casablanca/Marrocos: Roteiro de 2 dias. O que fazer?

Onde ficar?

Ficamos hospedados no Novotel Casablanca, bem no centro da cidade. Sempre que ficamos no Novotel somos muito bem recebidos, e geralmente as tarifas não são as mais caras. A localização também era muito boa.

Caso ainda esteja procurando por hospedagem para sua viagem, separamos alguns hotéis com ótimas avaliações para você conferir no Booking.com: 3* Relax Hotel Casa Voyageurs / 4* Avenue Suites / 5* Kenzi Tower Hotel / Outras Opções.

Dicas de Casablanca

  • Já comprou sua passagem? Se não, confira os preços através do JetRadar, que pesquisa o melhor preço em dezenas de sites.
  • Não só a Mesquita Hassan II é a mais bonita do Marrocos, como também foi a única que podíamos entrar.
  • Como sempre sugerimos no blog, nunca deixe para comprar ingressos no momento, evitando assim filas e perda de tempo. O blog, em parceria com a empresa Get Your Guide, disponibiliza a opção de compra antecipada de vários ingressos e excursões. Confira alguns exemplos: Excursão Gastronômica no Mercado / Excursão Guiada em Casablanca.

Roteiro da Viagem

  • 7 dias Marrakesh
  • 2 dia em Casablanca

O que fazer em Casablanca?

  • Dia 1 (Mesquita Hassan II – Jantar na Brasserie La Bavaroise)
  • Dia 2 (Rabat)

Casablanca (2013)

Dia 1 – Mesquita Hassan II – Jantar na Brasserie La Bavaroise

Nosso roteiro no Marrocos incluía 1 dia em Casablanca. Casablanca é a maior cidade em número de habitantes de Marrocos e o maior centro comercial do país. A cidade é mundialmente conhecida pelo filme “Casablanca”, estreado em 1942.

Em termos de turismo é a terceira mais visitada pelos turistas. Apenas 1 dia é suficiente para conhecer o essencial da cidade que é basicamente a Mesquita Hassan II, a única do Marrocos que aceita a visita interna por não muçulmanos.

Depois de deixar nossas malas no hotel fomos direto para a famosa Mesquita. Visitar a Mesquita Hassan II em Casablanca é conhecer a mais importante Mesquita do Marrocos e com certeza umas das mais impressionantes do mundo muçulmano. Uma obra sensacional, extraordinária, indescritível! O exterior já é algo espantoso de grande e bonito e o seu interior é mais belo ainda.

Esta obra de arte foi construída sob o mar e foi inaugurada em 1993. Nos trabalhos de construção estiveram envolvidas cerca de 2500 pessoas e 10 mil artesãos marroquinos. Os detalhes em mármore, cerâmica e ferro mostram a preciosidade deste trabalho!

O tour é guiado e pago. Para entrar o visitante recebe um saco plástico para a colocação dos sapatos, já que só pode se entrar com os pés descalços. São tantos os detalhes; algo realmente impressionante e com um clima religioso e misterioso. Também se pode visitar o andar inferior onde se situam as fontes para purificação dos fiéis.

Se tiver tempo, você pode também visitar a Medina. No nosso caso, já tínhamos visitados várias, então não fomos.

A noite saímos para jantar no restaurante Brasserie La Bavaroise. O lugar é famoso pelas carnes, e o steak não decepcionou. Provavelmente a melhor carne que comemos no Marrocos, sem contar as batatas, que estavam deliciosas.

Dia 2 – Rabat

Fizemos um bate a volta a Rabat saindo de Casablanca.  De trem, a cidade fica a aproximadamente 1 hora de Casablanca. Apesar de Rabat ser a capital de Marrocos, ela não tem o charme e o mistério de Marrakesh e nem a correria de Casablanca. Rabat tem 1,7 milhões de habitantes e abriga a residência oficial do Rei Mohamed. Entretanto, a cidade é super organizada, além de ter um ótimo sistema de transporte.

Chegando à estação de trem, compramos um mapa e fomos a pé mesmo conhecer alguns pontos importantes da cidade.

Fomos direto ver a Torre Hassan. Não era tão perto, mas como tínhamos tempo, decidimos ir conhecendo a cidade. A Torre é uma ruína de uma Mesquita inacabada do século XII. O sultão Yacoub El Mansour queria construir ali a maior mesquita do Mundo, mas os trabalhos pararam em 1199, quando ele morreu. A torre era para ter 80 metros, mas ficou com 44. O lugar foi escolhido para abrigar o Mausoléu de Mohammed V.

Pegamos o monorail na saída do Mausoléu e descemos no centro de Rabat. Sem pressa e compromisso, ficamos andando pela região central conhecendo a cidade.

Na área central existem vários restaurantes para almoçar. Vimos uma pizzaria lotada e decidimos almoçar lá, pois não tínhamos feito nenhuma pesquisa sobre restaurantes. Entretanto, pelo fato da cidade ser a capital de Marrocos, com certeza não deve faltar boas opções.

Caso tenha mais tempo, existem mais lugares para se conhecer em Rabat, mas como já estávamos no Marrocos a mais de 1 semana, não quisemos correria. Entre as principais estão a Medina, as Ruínas de Chellah e o Kasbah des Oudaias.

Tagged ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *