Onde Ficar em Jericoacoara

Ficamos no Hurricane Jeri.

  • Ótima localização; está situado no centro de Jericoacoara e a cinqüenta metros das praias Malhada e Jericoacoara.
  • Atendimento excelente. Todos os funcionários bem atenciosos e solícitos, nos ajudando com transfers, excursões e dicas de Jericoacoara.
  • Estrutura espetacular. A piscina dá de frente para a praia da Malhada e acaba sendo uma 2a opção para ver o pôr-do-sol direto das espreguiçadeiras do hotel. Além disso, o bar da piscina serve ótimos drinques e porções. Ótimo café-da-manhã a lá Carte.
  • Quartos super amplos e confortáveis e ótimo banheiro. Cama muito confortável e internet pega muito bem nos quartos.
  • Além do Hurricane Jeri, Jericoacoara conta com muitas outras opções de hospedagem; seguem algumas opções: 3* Pousada Carcará / 4* Pousada Casalice / 5* Essenza Hotel / Outras Opções

Dicas de Jericoacoara

  • Nossa viagem foi feita com nosso filho de 5 anos e a maioria do roteiro foi baseado nele.
  • Não deixe para pagar a taxa de turismo lá. Já pague ante de embarcar para que você não tenha de pegar fila no calor escaldante. Imprima o comprovante e leve com você.
  • Alugar carro talvez não seja a melhor opção aqui. Vimos dezenas de carros atolados na areia durante toda nossa estadia, tanto no transfer como durante as excursões. Sem contar que você não poderá entrar de carro na vila, deverá deixar em um estacionamento fora de Jericoacoara.
  • Combine com seu bugueiro o que está e o que não está incluído, inclusive questão de horários. Não deixe pra fazer isso no meio da excursão.
  • Apesar de quase todos os lugares de Jericoacoara aceitarem cartões, é interessante levar dinheiro em espécie.
  • O pôr-do-sol aqui é imperdível, um dos poucos lugares que o sol se põe direto no mar. Aproveite todos os dias, é muito diferenciado.

Roteiro de 4 dias em Jericoacoara (2021)

Dia 1 – Duna Por do Sol – Jantar no Tamarindo – Sorveteria Gelato & Grano

Com seu pôr-do-sol espetacular, a pequena vila de Jericoacoara no Ceará é uma viagem sensacional. Com suas lindas dunas e lagoas, Jericoacoara é um destino essencial para todos que gostam de viajar e querem relaxar em um ambiente super tranquilo e descolado. Apesar do ar rústico e suas ruas de areia de uma típica vila de pescador, Jericoacoara hoje apresenta uma excepcional estrutura turística, com ótimos hoteis e pousadas e vários restaurantes excepcionais.

Chegamos ao nosso hotel mais para o fim da tarde e depois de descansar um pouco já fomos para a duna para o tão famoso pôr-do-sol em Jericoacoara. Todo fim de tarde dezenas, para não falar centenas de pessoas e turistas sobem aqui em busca do pôr-do-sol mais bonito que já vimos em nossas vidas.

Diferentemente da grande maioria dos lugares, aqui o sol mergulha no mar, se tornando um lugar perfeito para acompanhar o fim do dia em Jericoacoara. É extremamente bonito ver aquele sol radiante quase que “afundando” em sua totalidade dento do mar. O que não falta são turistas brindando o fim do dia com champanhe e outros tipos de bebidas; se interessar leve o seu. Para quem gosta de tirar fotos, a duna é um lugar perfeito para pegar esse maravilhoso espetáculo da natureza em Jericoacoara. Até existem outros lugares, mas o ângulo aqui parece que funciona perfeitamente em alinhamento com o sol. Como dica, se quiser pegar um lugar mais a frente da duna, não chegue muito tarde, pois lota todos os dias.

Jantamos no restaurante mais famoso de Jericoacoara, o espetacular Tamarindo. Chegue cedo, pois sempre há fila na porta. Pedimos o famoso Camarão Thamarindo (R$79,00), com óleos e temperos orientais e acompanhado de arroz de coco. Excelente opção para quem gosta de comidas agridoces. Pedimos também o Camarão no Abacaxi (R$79,00), que estava gostoso, mas foi totalmente ofuscado pelo Camarão Thamarindo. Para o Enzo pedimos Camarão e Queijo Coalho Empanado, que estavam bem sequinhos e crocantes. Cada prato ainda dava direito a um acompanhamento (Pedimos a Batata Brava (ponto fraco da refeição) e a Manga Grelhada, que estava bem gostosa). O restaurante é realmente imperdível. Além de tudo, o ambiente e o atendimento foram muito bons. Com certeza nosso restaurante favorito durante a viagem, apesar do preço um pouco salgado.

De quebra ainda paramos na melhor sorveteria de Jericoacoara, o Gelato & Grano, a uns 5 minutos do Tamarindo. Cada sabor um melhor com outro (Acabamos vindo aqui quase todos os dias em Jericoacoara). R$14,00 a bola pequena.

Dia 2 – Excursão Oeste (Balsa Rio Guriú – Cavalo Marinho – Dunas de Tatajuba – Lagoa Grande – Mangue Seco do Guriú) – Jantar na Pizzaria Romã

Para quem viaja para Jericoacoara pela 1a vez, existem dois passeios imperdíveis; o passeio pelo lado Leste e o passeio pelo lado Oeste. Nesse primeiro dia fizemos o passeio pelo Leste, mas sinceramente não tem diferença fazer um ou outro primeiro, tanto faz. Mas caso queira fazer somente um deles, nós gostamos mais do Oeste. Como dito acima, lembre-se de combinar o que está ou não incluído no seu passeio com o motorista do Buggy, inclusive em questão de horário. Outro ponto importante é pegar referencia do bugueiro a contratar. Nós fechamos pelo hotel, apesar de ser um pouco mais caro, mas tivemos uma experiência fantástica com o nosso bugueiro. Super tranquilo; nos levou em todos os lugares que pedimos e não nos acelerou em nenhum momento. Além de tudo tirou todas as duvidas do Enzo, mostrou um tanto de coisa interessante pra ele, e dirigiu com muita prudência, já que ele estava no Buggy com a gente.

Depois de uns bons 40-45 minutos passando pela praia de Jericoacoara (peça seu motorista para tirar algumas fotos aqui), chegamos à primeira “parada”, onde você pega uma balsa e atravessa o Rio Guriú. Nada demais, a travessias dura em torno de 3-4 minutos e é isso.

Ao descer da balsa você já se encontra no local do passeio para conhecer os cavalos-marinhos (ingressos a parte). Também há várias barraquinhas com bebidas e salgados aqui. Ideal para uma água de coco em um dia muito quente igual ao que fomos. Depois de pagar o ingresso e entrar em um barquinho você vai pelo mangue tentando achar cavalos-marinhos. Pelo menos quando nós fomos deu para ver alguns, mas o pessoal dos barcos tem alguns gigantes dentro de umas vasilhas que eles passam de barco em barco para o pessoal ver; Enzo achou bem legal, pois deu pra ver eles bem de pertinho.

Dentro da normalidade do passeio, a próxima parada seria o Mangue Seco, entretanto, nosso bugueiro sugeriu que deixássemos para o fim da excursão, já que estaria bem menos cheio e assim chegaríamos mais cedo no grande destaque da excursão, que sem dúvida nenhuma é a Lagoa Grande. Ótima dica, pois além de sermos um dos primeiros a chegar à Lagoa Grande (lembre-se que todos vão para lá), no fim da viagem o Mangue Seco estava praticamente vazio.

Seguimos em direção as Dunas de Tatajuba. Paisagem muito bonita, com muitas dunas e algumas lagoas no meio das dunas. Com criança no Buggy, pedimos o passeios “sem emoção” e foi muito tranquilo durante todo o tempo nas dunas. O mais radical foi as descidas, que o Enzo aproveitou demais. Voltando a importância da escolha do bugueiro, o nosso parou em vários lugares que ele sabia que renderia boas fotos. Outro aspecto das dunas é que existem uns dois ou três lugares aqui para Esquibunda e Tirolesa (ingressos a parte). Nós não quisemos ir, até porque queríamos aproveitar mais a Lagoa Grande e sem contar que como a grande maioria para nesses lugares, acabou que fomos um dos primeiros a chegar à Lagoa e conseguimos escolher um lugar ótimo para ficar.

Como dito acima, achamos a Lagoa Grande disparado a melhor atração da excursão. Também como mencionado acima, nossas escolhas para chegar cedo à Lagoa fez toda a diferença; ao chegar tínhamos a lagoa inteira somente para nós e mais um casal, que foi perfeito para tirar um tanto de foto sem dezenas de pessoas no meio; além de poder nadar a vontade praticamente sem ninguém na lagoa (principalmente porque era época de pandemia).

A água e a areia da lagoa não são tão cristalinas como outras da região de Jericoacoara, entretanto aquela lagoa no meio das dunas de areia continua a ser bem paradisíaco. Ao redor da lagoa estão espalhados vários quiosques e barraquinhas de palha; já na margem da lagoa estão situados as mesas e redes. Aproveite para deitar nas famosas redes dentro da lagoa e relaxar.

Almoçamos ali mesmo na lagoa. Os quiosques são famosos pelo cardápio-vivo, na qual trazem uma bandeja cheia de peixes e frutos-do-mar para os clientes escolherem. Escolhemos, na verdade quem escolheu foi nosso bugueiro, um peixe sensacional que foi feito na churrasqueira e estava delicioso, disparado o melhor peixe da viagem. Não foi barato, mas novamente, estava delicioso. Vem com um tanto de acompanhamentos, mas a estrela do almoço sem dúvida foi o peixe; serve 3 adultos tranquilamente, mesmo com fome. Os preços variam entre R$100,00 – R$150,00, dependendo do tamanho. Como em toda praia, ali também existem alguns vendedores oferecendo algumas recordações e também comidas típicas da região (compramos algumas castanhas e cocada), mas nada que atrapalhe a visita a lagoa.

Depois de passar a maior parte da excursão na Lagoa Grande, partimos para a última parada do dia, o Mangue Seco do Guriú. Lembrando que dentro da normalidade essa é umas das primeiras paradas, mas tínhamos decidido junto ao guia ir no fim para pegar o lugar mais vazio e ainda chegar na Lagoa Grande bem cedo, quando também estaria vazio e sem muita gente na lagoa.

O mangue é muito bem cuidado, super limpo; até porque é umas das principais atrações da região e famílias dependem do turismo para vender algumas coisas, inclusive aqui você encontra algumas barraquinhas para lanchar, além de algumas com lembranças de Jericoacoara. Entre as atrações estão os balanços e gangorras que servem para tirar fotos com o mangue atrás e as centenas de raízes das árvores que ficam expostas no lindo cenário do mangue.

Para quem gosta de fotos, e principalmente postar fotos e vídeos em redes sociais, o mangue é um lugar perfeito para isso, inclusive os moradores já construíram e arrumaram muitos cenários de ótimas fotos, como balanços, árvores e outros, sempre com o lindo fundo do mangue a vista. É verdade que as filas podem sem um pouco demoradas e demandar um pouco de paciência nos principais pontos, pois as pessoas ficam tirando dezenas e dezenas de fotos no mesmo lugar. Até por isso foi ótimo vir no fim da excursão; dava até para contar quantas famílias estavam lá. Não deixe de perguntar ao seu bugueiro quais os melhores pontos para tirar fotos.

Jantamos no Restaurante Romã. Apesar de não ser uma pizzaria, lemos que o restaurante servia a melhor pizza de Jericoacoara e como o Enzo estava querendo pizza para o jantar não pensamos duas vezes. Pedimos a Pizza de Camarão, que vinha com molho de tomate, mussarela, tomate seco, camarão e azeitona (R$71,00). Apesar da aparência não ser das melhores, a pizza estava surpreendentemente muito boa e o que não faltava eram camarões, e dos grandes. A de carne de sol parecia muito boa também, mas em Jericoacoara preferimos ir de camarão mesmo. Serviu nos três muito bem. Ótima opção para um jantar mais em conta.

Dia 3 – Praia da Malhada – Praia de Jericoacoara – Centro de Jericoacoara – Almoço no Hotel – Tarde no Hotel – Jantar Na Casa Dela

O terceiro dia foi o mais tranquilo da viagem, tiramos para conhecer a vila de Jericoacoara. Começamos o dia na Praia da Malhada, literalmente a poucos passos da piscina do hotel. Se você deseja sossego e paz, prefira aqui a Praia de Jericoacoara. Praia muito tranquila, ponto de passagem para os turistas que decidem ir andando para a Pedra Furada. O mar é muito tranquilo (um pouco mais agitado que a Praia de Jericoacoara, mas nada demais), sem grandes ondas, além de sempre estar em uma ótima temperatura. Duas coisas importantes para se considerar: Primeiro que a praia fica muito vazia, até por isso não tem nenhum tipo de serviço, barraquinha ou banheiro. Quando fomos nem ambulante tinha vendendo água, etc. Como tínhamos acabado de tomar café-da-manhã, foi tranquilo, mas caso não seja seu caso, leve algo para beber e comer. Não deixe também de levar toalha, cadeira, guarda-sol, etc caso escolha aqui. Segundo, se for nadar, tome cuidado com alguns lugares, pois existem lugares com pedras. Aliás, ao redor da praia existem dezenas de pedras, que formam pequenas piscinas naturais; nada daquelas piscinas cheias de peixes, mas um ótimo lugar para as crianças se divertirem e procurarem peixes e também pequenos caranguejos. Não chegamos a ficar na praia, somente demos alguns mergulhos, andamos pelas minis piscinas naturais, tiramos várias fotos e seguimos para a Praia de Jericoacoara.

O caminho até a Praia Principal de Jericoacoara dura em torno de 10 minutos andando pela areia. Sem dúvida a praia principal é muito mais conveniente que a Praia da Malhada, até porque ela está situado bem no centro de Jericoacoara. Assim como na Praia da Malhada, o mar estava muito tranquilo quando estivemos lá, quase que sem ondas. Conta com muitos barzinhos e barracas em sua orla, que proporciona muito mais tranquilidade do que a Praia da Malhada.

Almoçamos e passamos a tarde inteira aproveitando a piscina do hotel.

Jantamos no Restaurante A Casa Dela. Restaurante aconchegante, com decoração bem agradável e ótimo atendimento. Começamos pelas Bolinhas de Macaxeira (R$25,00), que estavam muito boas. O restaurante é um dos mais famosos em Jericoacoara, principalmente pelo sua Paçoca e pelas suas carnes. Faça reserva ou chegue cedo, pois costuma ficar bem cheio. Acabamos pedindo Moqueca de Camarão (R$90,00), que não estava tão boa.

Dia 4 – Excursão Leste (Árvore da Preguiça – Praia do Preá – Buraco Azul CaiçaraLagoa Azul e Lagoa do Paraíso – Lagoa do Amâncio – Pedra Furada) – Jantar no Naturalmente

Foi dia de fazer a excursão pelo Leste. Começamos a excursão pela Árvore da Preguiça, uma árvore popularmente conhecida como Mangue-de-Botão que cresceu curvada na areia devido aos fortes ventos. A árvore está localizada mais ou menos entre a Vila de Jericoacoara e a Praia do Preá. Já que esta incluído na excursão, não custa parar, mas vá com paciência, pois a fila para tirar fotos na árvore é extremamente demorada e longa. Nós tiramos foto pela lateral e fomos embora, até porque o sol estava escaldante e não queríamos ficar naquela fila por mais de hora.

Apesar de vários lugares para tirar fotos na Praia do Preá, decidimos não parar junto aos outros bugues, pois estava muito cheio e muito calor. As filas nos principais lugares já estavam bem cheia quando chegamos. Decidimos seguir direto para o Buraco Azul Caiçara, até também para ver se conseguíamos chegar lá sem estar tão lotado como de costume.

O Buraco Azul Caiçara contempla uma lagoa com águas azul turquesa perfeita para nadar e relaxar. Existem dois desses “buracos” em Jericoacoara; fomos nesse por indicação do guia, mas pelo que entendemos não existe tanta diferença entre os dois.

O valor do ingresso não está incluído nas excursões. Para quem gosta de tirar fotos e fazer vídeos para Instagram e outras redes sociais, o lugar é uma ótima opção, muito devido a cor extremamente azul de sua água, além de ter cenários já prontos para as fotos. Só não ache que vai estar vazio como em algumas fotos famosas que aparecem pelas redes sociais; depois que o Buraco Azul Caiçara ficou mais famoso, o lugar vive lotado, pelo menos quando fomos e pelo que escutamos do guia.

Tem alguns lugares para pulo na água, mas também lugares para crianças entrarem (tome cuidado, pois é bem fundo, chegando a 10 metros de profundidade). A estrutura é bastante confortável, com restaurante, banheiro, etc, até porque algumas pessoas passam o dia ali. Não comemos nada, então não podemos falar do restaurante, mas não perecia ruim não.

Deixamos o Buraco Azul e fomos em direção a Lagoa Azul, mas não paramos. Seguimos direto para a Lagoa do Paraíso, que é a mais indicada para passar o dia. A Lagoa é muito interessante de ir e levar as crianças.

A água e o lugar são muito tranquilos, principalmente para as crianças brincarem (apesar de a lagoa ser bem grande), principalmente perto dos quiosques e restaurantes localizados na lagoa. Sem contar que é de água doce e a temperatura é perfeita para nadar durante o ano todo. Não deixe de aproveitar as famosas redes dentro da lagoa, muito boas para descansar e relaxar.

É aqui também que está localizado o famoso Clube Alchemist, mas não fomos, decidimos por outro restaurante mais tranquilo e quieto (ninguém que conversamos falou bem do clube, que além de caro, fica alguém o tempo todo tentando vender uma propriedade que eles vão abrir em Jericoacoara, além de ter de pagar ingresso). Nosso estilo de viagem não e esse, mas caso queira mais badalação aqui seria o seu lugar na lagoa.

Nosso guia nos indicou a Barraca Nova Esperança, que é muito bem localizada. O atendimento e o ambiente são muito bons, mas a comida não estava lá essas coisas, pelo contrario. Pedimos um Peixe Frito com molho de Camarões (R$109,00) que por estarmos em Jericoacoara deveria estar delicioso, e não estava; estava bem mais ou menos.

Nossa última parada da excursão foi na Lagoa do Amâncio. A maioria das excursões não para aqui, mas você com certeza deveria combinar com o seu guia por uma parada de pelo menos uma meia-hora aqui, no mínimo; o lugar é maravilhoso. Nós ficamos lá durante uns 40 minutos e não teve nenhum outro buggy que parou durante esse tempo. Literalmente nenhum. Se soubéssemos como era com certeza teríamos escolhido ficar mais tempo ali. Literalmente tivemos o lugar só para nós. Não acredite que a lagoa é um lugar só para passagem, é um ótimo lugar para parar e aproveitar durante um tempo.

Conta-se a lenda que Amâncio era um antigo morador de um sítio da redondeza, por isso o nome foi dado a ele. Não tem estrutura nenhuma, mal tem uma árvore para sombra; o mais indicado é levar algumas toalhas, protetor solar, muita água e aproveitar aquela lagoa enfiada nos meio das famosas dunas de Jericoacoara.

Dizem que o pôr-do-sol aqui também é espetacular, mas fomos mais cedo que o horário do pôr-do-sol, e como ainda tínhamos que ir na Pedra Furada não conseguimos esperar. O tamanho da lagoa depende da quantidade de chuvas na época que você for; quando fomos a lagoa estava lotada e perfeita para um banho. Novamente, não deixe de passar aqui; em termos de beleza foi a que mais nos impressionou.

Nossa última parada da viagem foi a Pedra Furada. A Pedra Furada provavelmente é o ponto turístico mais famoso de Jericoacoara. Com certeza um dos símbolos da vila; sua beleza e seu simbolismo fazem daqui uma parada obrigatória em Jericoacoara. Existem duas maneiras de chegar, sendo a primeira através da praia, que dependendo da maré fica inviável, além de certa dificuldade devido a pedras no caminho. A segunda, e mais comum, é através de uma descida bem íngreme, depois de uns 400 metros de caminhada subindo o Morro do Serrote (essa parte pode ser feita através de charrete, que foi o nosso caso, até porque estávamos com o Enzo o sol estava muito forte). A dificuldade sempre depende do nível de condicionamento de cada pessoa, mas eu não recomendo para pessoas que têm algum tipo de problema com locomoção, nem com crianças muito pequena, pois como dito acima, a descida até a Pedra Furada é bem íngreme e cheio de pedras e cascalhos, principalmente nos últimos metros da descida. Não sabíamos, mas descobrimos que outra opção é chegar de barco, o que facilita aos que teriam dificuldade no trajeto. No caso do Enzo, com 5 anos, foi relativamente tranquilo, até porque fomos muito devagar, deixando as pessoas passarem na nossa frente tanto na descida como na subida.

Caso queira tirar foto, vá com paciência, pois as pessoas tiram dezenas de fotos, o que atrapalha o fluxo, que já é bem movimentando dependendo do dia e hora que você chegar. Se não se importar, tire pelas laterais; não fica tão bom, mas dá pro gasto. Nós fomos mais para o fim da tarde, depois da excursão e mesmo assim ficamos uns bons 20 minutos esperando nossa vez de tirar fotos. Como dica, não deixe de levar de maneira nenhuma muita água e protetor solar; e obviamente use um tênis confortável.

Jantamos no Naturalmente, especializado em crepes. Os crepes estavam sensacionais, um dos melhores que já comemos na vida. Pedimos dois Yaras (Mussarela, Catupiry e Camarão (R$46,00 cada)) e um Jú, que além de tudo isso também tinha Brócolis (também R$46,00). Como dito acima, todos estavam sensacionais, com uma massa bem fininha e crocante. Muito bom mesmo. Eles são famosos por um crepe de lagosta que queríamos provar, mas no dia não tinha no cardápio, então fica pra próxima. Tínhamos planejado voltar ao Gelato & Grano, mas como estava tão bom, foi impossível não pedir os crepes doces aqui. Pedimos então um Romeu e Julieta, que surpreendentemente não estava tão bom (R$24,00) e um Aline (calda de chocolate, sorvete, banana e castanha (R$32,00)), que estava delicioso também.  Sem contar a vista, de frente para o mar. O lugar em si é bem agradável e o atendimento também foi muito bom.