Sem duvida nenhuma uma das grandes experiências que tivemos em todas nossas viagens. Cobrindo uma área de aproximadamente 20.000 km2, o Kruger é a maior área de fauna protegida na África do Sul. Fazer os safaris no Kruger Park e vivenciar a proximidade dos leões, elefantes, rinocerontes, leopardos, hienas e tantos outros foi sensacional e totalmente único. Com certeza serão memórias que nós, e principalmente o Enzo levará para a vida toda.

Onde Ficar no Kruger Park

Ficamos no incrível Kapama River Lodge. Hotel 5 estrelas, tudo incluído, dentro de uma reserva privada no Kruger Park. Espetacular. Viagem dos sonhos mesmo. Rodeado de muita vegetação e vida selvagem, o Kapama River Lodge oferece quartos de muito luxo e modernidade. Muito longe de ser barato, mas novamente, viagem dos sonhos, aquelas que você faz poucas vezes na vida. Alimentação excelente, várias vezes ao dia. Além do mais, safáris duas vezes ao dia já inclusos na tarifa, com guias super atenciosos e carros bem confortáveis. Sem contar que a reserva é privada, então não é aquele amontoado de carros, pois só os carros do hotel podem fazer o safári ali.

Caso ainda esteja procurando por hospedagem para sua viagem, separamos alguns hotéis com ótimas avaliações para você conferir no Booking.com: 3* Umlani Bushcamp / 4* Protea Hotel by Marriott Kruger Gate / 5* Vuyani Tented Camp / Outras Opções

Dicas do Kruger Park

  • Não é preciso ficar dentro de uma reserva privada, mas caso você tenha crianças menores de 6 anos, talvez você não tenha outra alternativa. Não achamos quem levasse o Enzo (4 anos na época) nos safáris, somente dentro da reserva privada, e mesmo assim pagando um guia particular. Se esse é o seu caso, pesquise antes, pois o custo da viagem, que já não é barato, aumenta devido a esses empecilhos.
  • Tire quantas fotos conseguir. Os safáris aqui são uma experiência única.

Roteiro da Viagem

Roteiro de 3 dias no Kruger Park (2020)

Dia 1/2/3 – Safári

Não existem muitas opções de atividades, até porque se você está no Kruger Park, a idéia é fazer quantos safáris puder, e isso com certeza nós fizemos.

Antes de mais nada é importante mencionar que se você está viajando com crianças abaixo de 6 anos, assim como nós estávamos, é muito importante planejar com antecedência, pois muitos lugares não aceitam levar crianças ao safáris. O Kapama aceitou levar o Enzo, desde que contratássemos um guia particular, pois não teria risco de atrapalhar os outros hospedes. Achamos justo, pois não sabíamos como o Enzo iria reagir ao ver leões, elefantes, rinocerontes e vários outros animais a literalmente poucos metros de distância. Foi também nos informado que dependendo do comportamento dele, o hotel não o levaria para ver nenhum dos Big 5. No fim das contas, graças a Deus ele se comportou muito bem e conseguimos fazer tudo como qualquer outro adulto lá, sendo a única diferença que pagamos o guia particular.

O roteiro diário do hotel era:

  • 05:30 – Pequeno café-da-manhã
  • 06:00 – Saída para o Safári Matinal
  • 09:00 – Retorno do Safári Matinal
  • 09:30 – Café-da-Manhã completo
  • 12:00 – Almoço
  • 16:00 – Chá-da-Tarde
  • 16:30 – Saída para o Safári da tarde
  • 19:30 – Retorno do Safari da tarde
  • 20:00 – Jantar

É normal que durante sua estádia você fique com o mesmo guia e atendentes do hotel durante todo o tempo (parecido com os cruzeiros). Entretanto, no fim da sua estádia, assim como nos cruzeiros, é esperado que você dê uma boa gorjeta. E eles merecem, pois o atendimento foi perfeito, da pessoa responsável pela limpeza dos quartos, ao nosso garçom, e especialmente nossos guias durante os safáris. A paciência deles com as mil perguntas que o Enzo fazia durante todo o safári fez toda a diferença na viagem.

Por sorte ou não, já que estávamos em uma reserva privada com poucos carros e eles sempre se comunicam entre si quando veem algo especial, nós conseguimos ver de tudo. Já no primeiro dia vimos leões, leopardos, búfalos e vários outros animais. No segundo dia já completamos os Big 5, com rinocerontes e elefantes. Indiferente, vimos literalmente centenas de animais, de gazelas, a zebras, a dezenas de girafas, babuínos, hipopótamos, hienas, cachorros selvagens, javalis, e um tanto de outros que fica até difícil de lembrar de todos. Literalmente no 3o dias já não aguentávamos ver alguns dos animais, de tanto que já tínhamos se deparado com  eles, ao ponto  de nem querer parar mais para observar. No último safári a tarde pedimos aos guias para irmos atrás dos leões e leopardos por causa do Enzo e nem preocupar com o resto dos animais. Não posso falar se  isso ocorre também fora das reservas privadas, mas lá dentro foi relativamente muito fácil ver a maioria dos animais. Ou talvez nós demos muita sorte. Independente de qualquer coisa,  a experiência é indescritível. Não tem como explicar sem você vivenciar o que é ter leões, elefantes, leopardos e tantos outras a metros de você. No começo dá um medo danado, mas quanto mais você faz o safári e aprende a confiar nos guias, mais esse medo vai indo embora e a emoção toma conta. Não importa a idade, o que você vivencia aqui é uma experiência única para o resto da vida.

Não tivemos problemas nenhum daqueles que agente vê em vídeos de elefante correndo atrás de carro, leão rugindo em direção ao carro, essas coisas. Como falei acima, a experiência dos nossos guias foi essencial, até porque estávamos com uma criança de quatro anos e eles sabiam o quanto perto podia chegar dos animais e se podia chegar perto. Teve casos por exemplo dele achar que não era uma boa ideia chegar perto de leões com leõezinhos recém nascidos, com medo da reação das leoas. Teve caso também dele distanciar bastante de alguns rinocerontes que estavam prestes a se enfrentar, pois achou que uma podia espantar o outro em direção ao carro. São essas pequenas coisas e detalhes que te faz perder o medo, ao ponto de durante os safáris você literalmente descer do carro para lanchar na savana. Isso aconteceu em todos nos nossos safáris e foi muito interessante descer do carro e poder tomar uma cerveja e lanchar no  meio da reserva. No nosso caso, como estava bem frio e ventando muito, a parada para o chocolate-quente foi ótima  para o Enzo. Como dica, confira o tempo antes de chegar ao Kruger e leve roupas bem quentes caso vá fazer frio e vento. Apesar de disponibilizarem cobertores durante o passeio, o vento é bem forte, principalmente a noite. Não esqueça a capa de chuva também, nos ajudou muito no único dia que choveu durante o safári.

Achamos três dias suficientes, até porque como dito acima, já no segundo dia conseguimos ver todos os Big 5 e outras dezenas de animais, muitos deles várias vezes ao dia. Fomos embora tristes pois sabíamos que era o fim de uma viagem fantástica, que até hoje dá saudade de tudo. Antes de sair, a promessa ao Enzo, que não queria ir embora de jeito nenhum, que quando crescer voltaríamos para ver os leões.