Lisboa/Portugal: Roteiro de 4 dias. O que fazer?

Onde ficar?

Ficamos no Ibis Jose Malhoa. Nada diferente de qualquer outro Ibis que já ficamos no mundo inteiro, e olha que já ficamos em muitos. Bem padrão. Lisboa é super turístico e o que não falta são opções de ótimos hotéis. Procure e pesquise bastante antes de fechar.

Caso ainda esteja procurando por hospedagem para sua viagem, separamos alguns hotéis com ótimas avaliações para você conferir no Booking.com: 3* My Story Hotel Tejo / 4* Pestana CR7 Lisboa / 5* MYRIAD by SANA Hotels / Outras Opções.

Se está apertado, você também pode procurar por hostels no Hostelworld.

Dicas de Lisboa

  • Já comprou sua passagem? Se não, confira os preços através do JetRadar, que pesquisa o melhor preço em dezenas de sites.
  • O Lisboa Card pode ser uma ótima opção. Faça as contas do seu roteiro para ver se vale a pena comprar. Se achar que sim, aqui você pode compra-lo antecipadamente: Lisboa Card: 24, 48 ou 72 horas.
  • De maneira alguma deixe de ir ao Mercado da Ribeira e ao Pastéis de Belém. Sempre lotados, mas são indispensáveis na sua visita a Lisboa.
  • Latinhas de conserva são ótimos presentes para trazer. Existem uma imensa variedades de opções, que vão de sardinhas, atum, polvo, cavala, entre outros.
  • Se a grana estiver curta, Lisboa é uma ótima opção pois é uma cidade bem mais em conta do que várias outras cidades na Europa, como por exemplo Londres e Paris.
  • A famosa vila de Óbidos é uma das mais bonitas e preservadas vilas de Portugal. Ideal para um bate e volta de Lisboa, Óbidos pode ser visitada em algumas horas, o que te proporciona a oportunidade de visitar outros lugares no mesmo dia. Entre suas principais atrações estão o Castelo (que hoje virou um hotel/restaurante) e suas igrejas. Entretanto o melhor de Óbidos é andar por suas ruelas e por sua muralha, que te proporciona lindas vistas da pequena vila.
  • Famosa devido ao Palácio Nacional, Queluz está situada a 15 Km de Lisboa. Como não tem muitas atrações fora o Palácio, uma parada de algumas horas em Queluz é uma opção perfeita para quem vai fazer um bate-volta de Lisboa, seja para Sintra, Óbidos (nosso caso), entre outras.
  • Como sempre sugerimos no blog, nunca deixe para comprar ingressos no momento, evitando assim filas e perda de tempo. O blog, em parceria com a empresa Get Your Guide, disponibiliza a opção de compra antecipada de vários ingressos e excursões. Confira alguns exemplos: Excursão de 2 Horas de Tuk-Tuk / Fado in Chiado / 2 horas Wine and Tapas Tour.

Roteiro da Viagem

O que fazer em Lisboa?

  • Dia 1 (Rua Augusta – Casa Portuguesa dos Pastéis de Bacalhau – Praça do Comércio – Arco da Rua Augusta – Almoço no Mercado da Ribeira)
  • Dia 2 (Almoço no Cantina Zé Avillez – Torre de Belém – Padrão dos Descobrimentos – Pastéis de Belém – Mosteiro dos Jerónimos – Museu Coleção Berardo – LX Factory – Jantar no Mez Cais)
  • Dia 3 (Almoço no Mercado da Ribeira – Praça Luis de Camões – Miradouro de São Pedro de Alcântara – Jardim do Príncipe Real – Jardim Botânico de Lisboa – Jardim da Estrela – Casa Fernando Pessoa – Mercado de Campo de Ourique – Jantar no Caso Sério)
  • Dia 4 (Óbidos – Queluz)

Lisboa (2018)

Dia 1 – Rua Augusta – Casa Portuguesa dos Pastéis de Bacalhau – Praça do Comércio – Arco da Rua Augusta – Almoço no Mercado da Ribeira

Lisboa é uma cidade impressionante. Capital de Portugal, está localizada ao lado direito do Rio Tejo. Com 500 mil habitantes (em torno de 2.8 milhões na área metropolitana), Lisboa foi construído sobre várias colinas, que proporciona aos visitantes vistas maravilhosas de vários pontos da cidade. Com vários museus, parques, e muitas outras atrações turísticas, Lisboa é uma cidade imperdível para quem gosta de viajar. Os bairros de Alfama, Chiado e Bairro Alto valem por si só a viagem à Lisboa. Para os amantes de uma boa culinária, nada com desfrutar de um bom bacalhau acompanhado de um bom vinho, sem falar dos famosos e tradicionais Pasteis de Belém. Além disso, Lisboa é uma cidade bem mais em conta do que várias outras cidades na Europa.

Antes de mais nada, é importante mencionar que se essa for sua primeira vez em Lisboa, sugerimos seguir o roteiro do nosso outro post de Lisboa, pois por já termos ido, deixamos alguns dos principais pontos turísticos de Lisboa fora do roteiro.

Chegamos e fomos direto para a parte central da cidade, pois ainda não era hora do check-in no hotel. Estacionamos o carro e fomos dar uma volta na região central de Lisboa no sentido a Praça do Comércio. A região da Rua Augusta é umas das principais ruas comerciais de Lisboa, cheia de lojas famosas, assim como lojas tradicionais, lojas de produtos típicos, cafés, restaurantes, além de dezenas de lojinhas para comprar presentes típicos de Portugal. Se for sua primeira vez em Lisboa é um ótimo lugar para começar seu roteiro.

Não deixe de provar o Bolinho de Bacalhau da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau. A Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau é muito famosa pelo seu Bolinho de Bacalhau, que vem com um pedaço gigante de Queijo Serra da Estrela derretido no meio. Apesar do preço ser um pouco salgado (4,00 Euros), é muito bom. O bolinho tem como objetivo unir dois ingrediente famosos de Portugal, o bacalhau e o queijo Serra da Estrela; a mistura perfeita entre o mar e a terra. Essa união criou um bolinho espetacular. Não deixe de experimentar.

O fim da Rua Augusta encontra-se com a praça mais famosa de Lisboa, a Praça do Comércio. A Praça do Comércio é gigante, umas das maiores da Europa, com aproximadamente 36.000 metros quadrados. Hoje a Praça do Comércio abriga dezenas de restaurantes e cafés em sua volta, além da estátua de Dom José e o Arco da Rua Augusta. Como não tintamos subido no Arco da Rua Augusta da última vez, decidimos subir para ver a vista de lá. Situado no lado norte da praça, você tem a vista tanto da Praça do Comércio quanto da cidade do lado oposto. Caso tenha interesse em comprar os ingressos antecipadamente: Ingresso para o Arco da Rua Augusta.

Ao descer fomos almoçar em um dos nossos lugares preferidos em Lisboa: o Mercado da Ribeira. Para quem nunca foi em Lisboa, o Mercado da Ribeira é uma parada mais do que obrigatória. Para quem já foi, bem provável que queria muito volta lá, assim como nós estávamos. O Mercado da Ribeira é sem duvida o principal mercado de Lisboa, contendo stands de alguns dos mais famosos chefs portugueses, como por exemplo Henrique Sá Pessoa, Miguel Laffan, Miguel Castro e Silva, Alexandre Silve, entre vários outros.

A idéia do mercado foi colocado em prática pela Revista Time Out, por isso muitos o chamam de “Time Out Market”. O mercado virou uma sensação em Lisboa e hoje recebe a visita de aproximadamente 2 milhões de visitantes ao ano. Já fomos lá em vários dias e horários diferentes, e sempre está lotado, tanto de turistas como também de Portugueses. As mesas são comunitárias, mas com um pouco de paciência sempre se acha um lugar para sentar. O legal aqui é a variedade de opções para experimentar. Tem de tudo que você imaginar. Além disse, alguns lugares oferecem opções bem em conta, então da para provar de vários stands e não gastar uma fortuna.

Nesse dia fomos no restaurante do Chef Miguel Castro e Silva, onde pedimos a Sopa de Tomate (3,30 Euros) e Lulas Fritas (6,50 Euros). A sopa estava OK, as lulas estavam sensacionais. Fomos também na Confraria do Sushi, onde pedimos o Tuna Combo (12,00 Euros). Não que estava ruim, mas com tantas opções sensacionais no mercado, não acho que voltaria lá. De sobremesa, não deixe de experimentar os Pastéis de Belém da Manteigaria (1.00 Euro). Para alguns, os pastéis aqui são melhores do que os do Pastéis de Belém.

Depois de passearmos mais um pouco pelo centro de Lisboa fomos para o hotel descansar da viagem.

Dia 2 – Almoço no Cantina Zé Avillez – Torre de Belém – Padrão dos Descobrimentos – Pastéis de Belém – Mosteiro dos Jerónimos – Museu Coleção Berardo – LX Factory – Jantar no Mez Cais

Como fomos durante a Copa do Mundo, acordamos e voltamos para a Praça do Comércio para ver o jogo de Portugal, até porque tínhamos programado o nosso almoço para um lugar ali perto.

Almoçamos no restaurante Cantina Zé Avillez. Zé Avillez é o chefe do melhor restaurante de Portugal, o Belcanto. Com duas estrelas, o restaurante ocupa o posto de 75 entre os melhores restaurantes do mundo. Como não é barato, decidimos ir em um dos vários restaurantes de menor custo que ele abriu ao redor de Lisboa. De entrada pedimos o croquete de novilho (3.65 Euros). Muito bom, daria para comer vários. Já de almoço pedimos o Bacalhau Lascado com Grelos, Batata, Ovo, Crosta de Broa e Alheira (16,50 Euros) e o Polvo a Bacalhoeiro, Grelos, Batata, Alho e Pimentão Fumado (21,50 Euros). Ambos estavam muito bons, mas o polvo em especial estava sensacional. De sobremesa pedimos o Avelã do Cantinho do Avillez (6,00 Euros). Gelado de Avelã, Espuma de Avelã, Avelã Ralada e Flor de Sal, servido em camadas. Muito bom. Apesar de não ser tão barato, o restaurante foi uma ótima escolha.

Resolvemos passar a tarde em Belém. A 1a parada foi a Torre de Belém. Talvez o monumento mais famoso de Portugal, a Torre de Belém foi aberta em 1520 como uma fortaleza. A Torre, considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é uma atração que não pode ser deixada de fora do seu roteiro. Como já tínhamos subido na torre, dessa vez só aproveitamos pelo lado de fora, mas caso não tenha ido, eu acho a vista do Rio Tejo lá de cima bem legal. Caso tenha interesse em comprar os ingressos antecipadamente: Torre de Belém.

A próxima parada foi no Padrão dos Descobrimentos, uma linda escultura que fica em torno de 10 minutos andando da Torre de Belém. Aproveite para andar pelo calçadão junto ao Rio Tejo até chegar ao monumento. O Padrão dos Descobrimentos tem o formato de uma caravela, e foi erguido em homenagem as pessoas envolvidas nos descobrimentos Portugueses. Inaugurado em 1940 e reconstruído em 1960, o monumento tem mais de 50 metros de altura e você pode subir ao topo. Também só fomos no lado de fora, não subimos ao topo.

Ao sair do Padrão dos Descobrimentos, ande por 10 minutos em direção ao Mosteiro dos Jerónimos. Bem ao lado está o famoso Pastéis de Belém (pasteisbelem). Os pastéis começaram a serem produzidos ali mesmo em 1837 e até hoje são um sucesso absoluto. Logo na entrada você verá 2 filas, uma para sentar e outra para levar. A não ser que esteja com pressa, acho que a espera vale a pena pois sentar ali e experimentar um dos melhores doces que já comemos na vidas faz parte da experiência. Assim como da nossa outra vez em Lisboa, ao sair ainda pedimos alguns para levar para comer no dia seguinte. Cada um custa 1,10 Euros.

Durante nossa última visita a Lisboa, o único lugar que não tínhamos ido nessa região foi o Museu Coleção Berardo, então decidimos ir conhecer. Atravesse o calçadão do Mosteiro dos Jerónimos (Se você já foi ao Mosteiro dos Jerónimos, você pode fazer como nós e só apreciar pelo lado de fora (a não ser que queira ir novamente), mas se você nunca foi, não deixe de conhecer; é fantástico: Mosteiro dos Jerônimos.

O Museu Coleção Berardo é o museu mais visitado de Lisboa. Contando com exposições permanentes e também temporárias, o museu expõe artes modernas e contemporâneas de dezenas de artistas, incluindo Pablo Picasso, Joan Miró, Marcel Duchamp, Max Ernst, entre muitos outros. O site diz que a entrada é gratuita nos sábados. Caso não consiga ir no sábado e tenha interesse em comprar os ingressos antecipadamente.

Pegamos o carro em fomos para a última parada do dia, a LX Factory. A LX Factory é uma antiga fábrica, transformada em um espaço cultural com dezenas de lojas legais, vários bares, cafeterias e restaurantes. Entre as lojas mais famosas estão a Ler Devagar Livraria, a Loja de moveis Kare, entre outras. Lá também tem uma agenda cultural bem ativa, com várias exposições, shows musicais, e outros tipos de apresentações artísticas, além de feiras com dezenas de barraquinhas vendendo de tudo que você pode imaginar. Não deixe de olhar o site antes de ir e conferir a agenda cultural. Jantamos no Mez Cais, lá mesmo na LX Factory. Ótimo mexicano para quem gosta. Não achei aquele mexicano original, tipo comida de rua no México, mas os pratos são muito gostosos, assim como os Chips com Guacamole.

Dia 3 – Almoço no Mercado da Ribeira – Praça Luis de Camões – Miradouro de São Pedro de Alcântara – Jardim do Príncipe Real – Jardim Botânico de Lisboa – Jardim da Estrela – Casa Fernando Pessoa – Mercado de Campo de Ourique – Jantar no Caso Sério

Tiramos o dia para andar pelos famosos bairros de Lisboa e conhecer o que não tínhamos conseguido conhecer da última vez que fomos a Lisboa. A caminhada foi longa, e conta com alguns morros bem íngremes, então caso tenham alguém na viagem com dificuldade de locomoção, talvez esse não seja o roteiro adequado, pelo menos não andando.

Após acordamos bem tarde, começamos o dia almoçando novamente no Mercado da Ribeira. Pois é, gostamos demais de lá. O restaurantes escolhidos dessa vez foram o restaurante do famoso chef Português Henrique Sá Pessoa e o Sea Me at the Market. No restaurante do Henrique Sá Pessoa pedimos o famoso Leitão confitado com Pure de Batata Doce (14,50 Euros). Delicioso. Pele crocante e sequinha. Já no SEA me at the Market pedimos um Tagliatelle de Camarões e Vieiras (13,00 Euros).

Ao sair ande uns 50 metros sentido Praça do Comércio e suba a Rua do Alecrin até chegar a Praça Luis de Camões. Dependendo do seu tempo/interesse, ali por perto estão alguns pontos turísticos interessantes, como por exemplo a Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, a estátua de Fernando Pessoa, a livraria Bertrand, entre outros.Próxima parada foi o Miradouro de São Pedro de Alcântara. Além da bela vista, paramos lá para ver o jogo do Brasil em um telão montado ali mesmo.

Seguimos sentido ao Jardim Príncipe Real, que é uma praça super legal de sentar e relaxar um pouco. Para quem tem criança, existe até um playground bem bacana. Novamente não conseguimos ir ao restaurante A Cevicheria, que fica ali do lado, pois novamente estava lotado. Quem sabe da próxima. A poucos metros da praça está o Jardim Botânico de Lisboa. Nada demais, mas com ingressos a 3 Euros até que valeu a pena a visita.

Seguimos nossa caminhada para a Casa de Fernando Pessoa. No caminho paramos para um café no Jardim da Estrela, que também é um parque super legal, principalmente se você tem criança.

A Casa de Fernando Pessoa está localizada a uns 10 minutos andando do Jardim da Estrela, na Rua Coelho da Rocha 16 . Foi nessa casa aqui em Lisboa que o escritor morou nos seus últimos quinze anos de vida. Além de vários artefatos de Fernando Pessoa, lá você encontra uma biblioteca, uma sala multimídia, muitas de suas obras, além do reconstituição de seu quarto. Para quem gosta de Fernando Pessoa é bem interessante, principalmente porque o ingresso também custa somente 3 Euros. Além de tudo, se tiver interesse, entre no site e confira a programação, pois sempre ocorre eventos na casa.

Ao sair da Casa Fernando Pessoa, continue andando por uns 100 metros, onde você encontrara um outro mercado bem legal em Lisboa, o Mercado de Campo de Ourique. Longe de ser tão turístico e bem menor que o Mercado da Ribeiro, o Mercado de Campo de Ourique tem o mesmo estilo, com várias barraquinhas de comidas e uma área central com mesas, etc. Para não perder a viagem, comemos um Hambúrguer delicioso (8,50 Euros) no Carnalentejana.

Para terminar a viagem, pegamos um Uber e voltamos para a região central de Lisboa para encontrarmos uns amigos no restaurante Caso Sério. Restaurante bem legal, com musica ao vivo e várias tábuas de embutidos, além do preço ser bem em conta pela região.

Dia 4 – Óbidos – Queluz

Saímos de Lisboa bem cedo. A viagem de carro leva em torno de 50 minutos a 1 hora. Se não for o seu caso, você pode usar o transporte publico ou se preferir, ir de excursão: Tour em Grupo a Fátima, Óbidos, Batalha e Nazaré.

Paramos o carro no estacionamento ao lado do Centro de Informações Turísticas, onde entramos para saber das principais atrações da vila, além de pegar um mapa. Não deixe para chegar tarde, pois Óbidos lota praticamente todo dia.

Não existe um roteiro específico; o mais interessante de Óbidos é andar por suas ruelas sem direção, desfrutando de sua história e de sua beleza arquitetônica e cultural. Além disso, com dezenas de lojinhas dentro da muralha, não deixe de entrar e conhecer um pouco da cultura de Óbidos.Como dito anteriormente, alguns dos pontos turísticos mais visitados de Óbidos são o Castelo (que hoje virou um hotel/restaurante) e suas igrejas. Entretanto, achamos que o mais interessante seria andar por sua muralha, de onde você tem vistas incríveis de toda a vila, já que consegue contornar praticamente 100% da vila. Imperdível.

A muralha tem em torno de 1,5 Quilômetros, e demora em torno de 1 hora e 1/2 para percorre-la. Não recomendado para quem não gosta de altura, e também tome cuidado com crianças, pois não tem cerca de proteção. Em alguns pontos o caminho pode ficar apertado, até pela quantidade de pessoas que andam pela muralha.

No nosso caso, entramos pela Porta da Senhora da Piedade, pegamos a rua principal e andamos até o castelo, de onde acessamos a muralha. Demos a volta completa e descemos da muralha novamente perto do castelo.

Depois que descemos da muralha, andamos mais um pouco pelas ruelas da vila até achar um restaurante. Almoçamos no Adega do Ramada, em uma das ruelas dentro da muralha. Restaurante bem pequeno e simples, mas delicioso. Diferente das maioria dos lugares que comemos bacalhau em Portugal, esse restaurante grelha o seu em uma churrasqueira. O bacalhau (24,95 Euros) estava muito bom, com aquele crosta com sabor de carvão. Um dos melhores que já comemos em nossas viagens a Portugal. O cardápio falava que era para duas pessoas, mas sinceramente, dava para 4. O bacalhau era gigante e vinha com batatas e brócolis.

Como disse antes, uma manhã é mais do que suficiente para a visita; a não ser que queira passar a noite lá. Como queríamos visitar o Palácio Nacional de Queluz, fomos embora bem depois do almoço.

Antes de sair, não deixe de provar a famosa Ginjinha, de preferência dentro do copinho de chocolate, como diz a tradição.

Saímos de Óbidos e fomos em direção a Queluz. Como estávamos de carro, Queluz estava no caminho de volta de Óbidos para a Lisboa. Se não for o seu caso, você pode usar o transporte publico ou se preferir, ir de excursão: Excursão a Queluz, Sintra, Cascais e Estoril. Por estar incluído no Lisboa Card, faça as contas do seu roteiro para ver se vale a pena comprar ou não o Lisboa Card. Se achar que sim, aqui você pode compra-lo antecipadamente: Lisboa Card: 24, 48 ou 72 horas.

Fomos direto para o Palácio, pois como dito anteriormente, não há muitas outras opções turísticas na cidade. Algumas horas são mais do que suficiente para visitar o Palácio, mas para quem gosta desse tipo de atração, dá também para ficar o dia inteiro, tamanho a beleza do Palácio e principalmente de seu jardim.

O Palácio Nacional teve sua construção iniciada em 1747, sendo construído como um recanto de verão para D. Pedro de Bragança. Considerado um dos últimos edifícios do estilo rococó da Europa, o Palácio é chamado por muitos de “Versalhes Português”. O Palácio Nacional de Queluz é deslumbrante, principalmente os jardins, onde se encontram dezenas de estátuas, fontes e jardins geométricos.

Para nós brasileiros, o Palácio tem um significado histórico, pois foi lá que morava a família real antes dos mesmos fugirem para o Brasil. Inclusive os visitantes podem visitar os aposentos de Carlota Joaquina e de D. Pedro I.

Saímos do Palácio e fomos para o hotel, pois iriamos pegar a estrada cedo no dia seguinte com destino a Algarve. Nem paramos para jantar, pedimos algo no hotel mesmo.

Galeria de Foto – Dia 4

Tagged , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *