Rota Panorâmica/África do Sul: Roteiro de 1 dia. O que fazer?

Onde ficar?

Em Joanesburgo ficamos no The Aviator Hotel, bem perto do Aeroporto. Hotel super arrumado, tudo novinho nos quartos. Ficamos surpresos pela qualidade do hotel baseado na tarifa que conseguimos. Além de ser ótimo, ainda tem transfer 24 horas do e para o aeroporto e estacionamento gratuito. Escolha perfeita. Quarto espaçoso e camas super confortáveis. Ótimo atendimento também. Único porem é que dá para escutar o barulho de aviões durante a noite. Nada muito barulhento, mas se você tem um sono muito leve talvez não seja o hotel para você.

Já em Graskop ficamos no Graskop Hotel, que foi muito bom. Hotel bem arrumado, quartos grandes, limpos e confortáveis. Banheiro com banheira, que foi um extra a mais. Localização bem no meio de Graskop. Único porem é a internet, que não pega nos quartos.

Caso ainda esteja procurando por hospedagem para sua viagem, separamos alguns hotéis com ótimas avaliações para você conferir no Booking.com: Joanesburgo –  3* Garden Court Sandton City / 4* Home Suite Hotels Rosebank / 5* Four Seasons Hotel The Westcliff / Outras Opções. Graskop – 4* The Reserve Boutique Hotel / Outras Opções.

Roteiro da Viagem

O que fazer na Rota Panorâmica?

  • Dia 1 (Nan Hua Temple – Almoço no Milly´s – Cavernas Sudwala – Jantar no Canimambo)

Rota Panorâmica (2020)

Dia 1 – Nan Hua Temple – Nan Hua Temple – Almoço no Milly´s – Cavernas Sudwala – Jantar no Canimambo

Começamos nossa jornada com quarenta minutos de viagem até o Nan Hua Temple. Bem, templo budista na África do Sul, ainda mais no meio do nada? Sim, e é lindo; vale muito a pena uma parada aqui, até porque é de graça. Pena que não pode tirar fotos nas partes internas dos templos, que sem dúvida são extraordinárias. Tudo extremamente bem cuidado e extremamente minucioso em cada detalhe de cada aspecto. O templo principal é espetacular. Pena que não tem visitas guiadas, mas eles oferecem “retreats”; confira no site. Dizem ter um lugar para tomar chá, mas estava fechado quando fomos.

Se você, como nós que já fomos na Ásia gosta desse tipo de atração, a visita aqui é indispensável. Tiramos dezenas de fotos na parte externa, sentamo um pouco naquele pátio gigante em frente ao templo para relaxar um pouco e seguimos viagem.

Nossa próxima parada seria a Sudwala Caves, mas paramos no caminho para almoçar. Almoçamos no famoso Milly´s. A comida estava muito boa. Apesar de ser famoso pela truta, já que é pescada na própria propriedade do restaurante, pedimos um Filé com Fritas, Vegetais e Molho de Pimenta (R172) e a Lasanha de Vegetais, que vinha com fritas e Molho de Cogumelos (R79). O Enzo comeu Frango com Fritas. Tudo delicioso. Ótimo achado no caminho. O local ainda conta com um café e várias lojinhas vendendo tudo que você pode imaginar, de pão, geleias, biscoitos (tudo caseiro), até truta defumada no próprio local.

Mais uma hora de viagem e estávamos nas Cavernas Sudwala. As cavernas Sudwala são uma das cavernas mais antigas e conhecidas no mundo. Foi muito legal fazer o passeio guiado em uma das cavernas, que era gigante e muito interessante. Dizem ter mais de seis quilômetros de extensão, mas a visita acontece somente nos primeiros seiscentos metros. Se você tem receio ou claustrofobia, não se preocupe, grande parte da excursão é em lugares bem altos e grandes, nada de ficar apertado. Somente a última parte da excursão, caso você queira é que tem um caminho de uns cinco metros mais apertados, no qual você tem de andar meio que abaixado para chegar em uma das galerias da caverna, que coincidentemente foi a mais bonita.

Foi interessante ver o tão escuro seria a caverna sem luzes; em um certo momento a guia apaga todas as luzes dentro da caverna, que vira um breu só. Aliás, os guias são super atenciosos e sabem tudo do local. Te explicam cada detalhe. Como ponto interessante, a guia nos disse que já houve até shows lá dentro, tanto que o acústico da caverna é bom. Outro ponto a se levar em consideração é que existem morcegos lá dentro, caso isso seja um empecilho.

Mais uma hora e pouco e estávamos no hotel. Jantamos bem em frente ao hotel, no Restaurante Canimambo, que servia uma ótima comida portuguesa. O restaurante serve comida de Moçambique também, mas focamos na comida portuguesa, já que adoramos. Pedimos o famoso Prego (sanduíche de filé, com muito molho da carne) e a Galinha Piri-Piri.  Não deixe a aparência do restaurante te enganar, a comida estava deliciosa.

Tagged ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *