Graskop é uma pequena cidade no interior da África do Sul que muitas vezes serve de parada para os viajantes que preferem ir de carro de Joanesburgo para o Kruger Park. A cidadezinha é ótima para ser um ponto de parada, mas não tem muitas opções de atrações. De dica, não deixe de visitar a God´s Window, a principal atração da cidade. Aproveite também para comprar presentes e lembranças aqui, pois foi um dos lugares mais em conta para isso na África do Sul.

Onde ficar em Graskop?

Ficamos no Graskop Hotel, que foi muito bom. Hotel bem arrumado, quartos grandes, limpos e confortáveis. Banheiro limpo e espaçoso, com banheira, que foi um extra a mais. Localização bem no meio de Graskop. Único porem é a internet, que não pega nos quartos.

Caso ainda esteja procurando por hospedagem para sua viagem, separamos alguns hotéis com ótimas avaliações para você conferir no Booking.com: 4* The Reserve Boutique Hotel / Outras Opções

Roteiro da Viagem

Roteiro de 1 dia em Graskop (2020)

Dia 1 – God´s Window – Perry’s Bridge Trading Post – Perry’s Bridge Reptile Park – Almoço no Kuka Cafe – Elephant Whispers – Jantar no The Garden Shed

Depois de um ótimo café-da-manhã no hotel, partimos para nossa primeira atração em Graskop, a God´s Window, ou a Janela de Deus. No caminho você passará pela The Pinnacle Rock, que nada mais é que um outro mirante. Como era pago também, decidimos não ir e seguir direto para a God´s Window.

Com uma vista espetacular, a God´s Window, ou Janela de Deus, te dá uma visão geral e de vários ângulos de um lindo vale. São diversas trilhas, todas muito bem sinalizadas, que te levam a diferentes mirantes desse lindo lugar. Lemos o depoimento de várias pessoas que não acharam tão interessante, pois acharam God´s Window nada mais que uma linda vista e esperavam mais. E literalmente é isso mesmo, uma vista maravilhosa e nada mais, então se não se interessa por esse tipo de atração, talvez não vale a pena parar aqui. No dia que fomos estava bem ensolarado, mas lemos que em dias nublados não se consegue ver muita coisa, então considere isso antes de ir. Não deixe de conhecer a feirinha de artesanato no estacionamento, pois em comparação com os preços de Graskop, tudo estava bem em conta.

Existem dezenas de opções do que fazer em Graskop e região, mas queríamos levar o Enzo no Elephant Whispers, então fomos em direção a Hazyview, aproximadamente 40 minutos de carro. Como tínhamos hora marcadas para as 16:00, paramos no Perry’s Bridge Trading Post para almoçar e também ir no Perry’s Bridge Reptile Park. O Perry’s Bridge Trading Post nada mais é que um pequeno shopping a céu aberto, com várias lojinhas, restaurantes, cafés e um hotel, além de algumas atrações e um centro de informações para turistas.

Depois de conhecer e passear um pouco pelas lojas (tudo muito caro), fomos conhecer o Perry’s Bridge Reptile Park. Ao entrar, parece meio abandonado, até porque nós éramos os únicos visitantes junto a outro casal. Entretanto, na medida que você vai conhecendo o local, você percebe que é tudo muito bem organizado e que o atendimento das poucas pessoa que lá estavam trabalhando foi muito atencioso. Vimos muitas cobras, aranhas, lagartos, alguns poucos crocodilos (os maiores que já vimos na vida) e vários outros animais. Recomendamos conferir o site antes de visitar, pois a visita se torna muito mais interessante se eles estiverem fazendo uma das várias demonstrações. No dia que fomos não era dia de alimentar os crocodilos, mas fora isso vimos e participamos de muitas interações com os animais. Novamente, tudo com a maior boa vontade de todos os funcionários que lá estavam. O Enzo adorou o lugar, até porque como tinha poucas pessoas, ele podia conversar com os cuidadores e participar quase sozinho das interações. Não se deixe enganara pela aparência, a visita aqui, principalmente para as crianças é muito legal.

Almoçamos lá mesmo no Perry’s Bridge Trading Post, no Kuka Cafe. Restaurante super gostoso, assim como a comida e o atendimento. Pedimos o especial do dia, que era um prato de frutos do mar para duas pessoas que vinha com peixe, lulas e camarões, além de batata frita (R220) que estava muito bom. O Enzo comeu macarrão a bolonhesa, que também estava bem gostoso (R55), além de um milk-shake (R45), já que aparentemente eles são famosos aqui. O Kuka Cafe também serve uma variedade enorme de cafés, que também estavam bem gostosos. Servem também sushis, mas não chegamos a experimentar.

Fizemos um pouco de hora no restaurante, já que nossa próxima atração, o Elephant Whispers, estava marcada para as 16:00 e estava situado bem perto dali.

Que experiência fantástica foi o Elephant Whispers; uma das mais sensacionais da viagem a África. Meses depois da viagem o Enzo ainda fala do famoso Tambo, o elefante gigante que demos comida, passamos a mão, seguramos no chifre e tirarmos dezenas e dezenas de fotos. A interação com os elefantes é muito sensacional. Importante mencionar o carinho que os funcionários tratavam a todos presentes, e principalmente o Enzo, que na hora era a única criança lá. Isso fez da experiência ainda mais única e inesquecível. Muito longe de ser uma experiência barata, mas se tiver a oportunidade não deixe de fazer, sem sombra de dúvida será uma experiência inesquecível para a vida toda. Interagir com um gigante daqueles, dar comida na tromba, poder chegar perto e conhecer mais sobre a vida dos elefantes foi sensacional. É inexplicável o sentimento de estar tão perto deles.

A interação com o passeio nos elefantes custa R1300 para adultos e R650 para crianças e dura aproximadamente uma hora e meia a duas horas. Somente a interação custa R740 para adultos e R370 para crianças. No nosso caso, não tivemos a oportunidade da andar nos elefantes, pois crianças na idade do Enzo não eram permitidas (somente a partir de 6 anos). Existem também várias outras experiências; confira no site quais são. Uma com certeza te encantará. O inicio do passeio é uma aula sobre como é a vida dos elefantes e um pouco de como surgiu o Elephant Whispers, ao mesmo tempo que aproximadamente 5-6 elefantes fazem truques para a plateia. Depois da aula e de uma breve explicação como será a interação, um dos elefantes, no nosso caso o Tambo, aproxima da plateia e com a ajuda dos cuidadores começam vários tipos de interação, como dar comida, fazer carinho e tirar dezenas de fotos bem ao lado deles. Incrível. Depois de mais ou menos uma hora de interação (no nosso caso tinham aproximadamente 15 pessoas participando da interação), se você não vai andar neles é hora de despedir; e com muita tristeza demos tchau ao Tambo, pois a vontade era de ficar ali o dia todo.

Seguimos de volta para Graskop e jantamos no Restaurante The Garden Shed, próximo do hotel. É bom mencionar que tudo fecha cedo em Graskop. Apesar do atendimento muito cuidadoso e do ambiente bem acolhedor, o restaurante é péssimo, achamos a comida horrível. Fazer pizza e macarrão ruim é difícil e eles conseguiram. Não foi surpresa que nós éramos os únicos no restaurante. As avaliações são muito boas, talvez só pedimos a comida errada.