Onde Ficar em São Paulo

Ficamos no Grand Mercure Itaim Bibi.

  • Localização Excelente. Aproximadamente a 2 quilômetros do Parque Ibirapuera e também do Shopping Iguatemi, além de estar situado em uma área cheia de bares e restaurantes. O hotel também esta situado a 5 quilômetros do aeroporto de Congonhas.
  • Atendimento excelente. Todos os funcionários super bem atenciosos e solícitos.
  • Estrutura muito boa, apesar de não termos usado. Piscina com uma ótima vista na cobertura, além de Spa e Academia. Não usamos o restaurante (mesmo o café preferimos tomar em outros lugares). Limpeza impecável.
  • Quartos super amplos e confortáveis e ótimo banheiro. Cama muito confortável e internet pega muito bem nos quartos.
  • Além do Grand Mercure, São Paulo conta com muitas outras opções de hospedagem; seguem algumas opções: 3* Park Inn by Radisson Berrini / 4* Staybridge Suítes / 5* Hilton São Paulo Morumbi / Outras Opções

Dicas de São Paulo

  • Nossa viagem foi feita com nosso filho de 5 anos e a maioria do roteiro foi baseado nele, mas caso não seja seu caso, existem várias outras opções interessantes em São Paulo, como por exemplo o MASP, dezenas de bares para curtir a noite, o Jardim Botânico e muitas outras opções.
  • Segue algumas opções de pontos turísticos gratuitos: Aproveitar a Avenida Paulista (de preferência no domingo) de um lado ao outro, visitar o Beco do Batman, aproveitar os parques da capital paulista, principalmente o Ibirapuera e o Villa-Lobos, visitar a Feira da Liberdade, a 25 de Março e as famosas feiras de antiguidade, entre vários outros.
  • Existem ótimas opções de bate-e-volta de São Paulo, como Atibaia, Campos do Jordão e Guarujá.
  • O que não falta em São Paulo são shows, eventos, exposições, eventos, etc. Se planeje para aproveitar o máximo.
  • São Paulo tem a melhor gastronomia do Brasil, com vários restaurantes estrelados até os famosos sanduíches de mortadela do mercado e os pasteis das feiras. Pesquise bastante para aproveitar o leque de opções dentro do que você pretende gastar. O que não falta são ótimas opções para tudo quanto é bolso.

Roteiro de 5 dias em São Paulo (2021)

Dia 1 – Aquário de São Paulo – Almoço na Esfiha Imigrantes – Zoológico de São Paulo – Jantar no Jun Sakamoto

Chegamos em São Paulo por volta das 09:00 e depois de deixarmos as malas no hotel já partimos em direção ao Aquário de São Paulo. Aquário super bacana para levar as crianças. Imensa variedade de animais aquáticos, entre jacarés, pinguins, arraias e peixes de tudo quanto é tamanho e origem. Apesar de ser um aquário o que não falta são animais aéreos e terrestres, entre Morcegos, Cangurus, Coalas e tantos outros. Entretanto as grandes atrações são o gigante tanque de tubarões e a famosa dupla de ursos polares Aurora e Peregrino. Os funcionários merecem um complemento a mais, pois são super cordiais e entusiasmados com o que fazem, procurando entreter as crianças o tempo todo com curiosidades dos animais. Ótima estrutura de lanchonetes, restaurante, lojas e estacionamento, apesar de tudo ser um pouco no lado caro. Aliás, o preço do ingresso não e tão barato.

Saímos do aquário e fomos almoçar no famoso Esfiha Imigrantes. Considerado por muitos uma das melhores, senão a melhor, esfiha de São Paulo, o restaurante vive lotado e sempre com fila na porta desde 1976. Preços super justos pelo que entregam. Atendimento OK, mas super rápido; tudo chega à mesa bem quente e saboroso em minutos. O ambiente é super simples, mas tudo bem limpo e arrumado. Voltando as esfihas, pedimos as de carne (carne moída, tahine, tomate e cebola) (R$5,90) e também de calabresa (calabresa, tomate e cebola) (R$5,90), mas o que não falta são opções de sabores para tudo quando é gosto. Massa super leve e bem macia, além de serem super bem recheadas com ingredientes super saborosos. O restaurante também serve outras dezenas de pratos árabes, que dizem ser tão bom quanto as esfihas, como por exemplo quibes fritos e cru, charutos, kaftas, coalhada, tabule e muitas opções de sobremesas. Ótima opção de restaurante em São Paulo, principalmente se está na correria, além da criançada adorar. Como vive lotado, existe também a opção de retira.

Nossa próxima atração foi o Zoológico da cidade de São Paulo. Inaugurado em 1958, achamos o Zoológico de São Paulo super bem estruturado e muito bem cuidado. Imensa variedade de animais (mais de 2000 conforme o site), que inclui leões, tigres, rinocerontes, girafas, ursos, cobras e muitos outros que fica até difícil de lembrar. Sem contar que o formato em que as jaulas foram feitas aumenta a chance de você ver todos os animais. Lugar perfeito para curtir com a família/amigos, principalmente se conseguir ir durante a semana, quando não fica tão cheio. Por ser imenso, vá com roupas e sapatos confortáveis já que você vai andar bastante caso queira ver todo o zoológico. Existe também a opção de fazer o passeio com um carrinho, até porque como dito anteriormente, o Zoológico é bem amplo. Caso tenham pessoas com pouca mobilidade, essa é uma ótima opção. Estrutura bem legal também, com algumas lanchonetes, várias sorveterias e algumas lojas perto da saída do Zoológico. Conta também com um estacionamento terceirizado do outro lado da rua. Dentro do Zoológico também estava ocorrendo a exposição do Mundo dos Dinossauros (pago a parte). Muito legal para as crianças menores, até porque as esculturas são muito bem feitas (Tiranossauro Rex, Pterodátilos, Mamenquissauro, entre muitos outros). Dentro da exposição existem alguns brinquedos relacionados aos dinossauros para a criançada se divertir, mas também pago a parte. Estávamos muito interessado em também fazer o Safári, mas por termos ido durante a pandemia, a integração com o Safári estava fechada, fica pra próxima (Caso você vá de carro próprio, você ainda pode fazer, mas as vans estão paradas).

Jantamos no badalado Jun Sakamoto, considerado um dos melhores restaurantes japonês do Brasil. Fomos de Omakase e que experiência gastronômica sensacional. Existem 3 opções de Omakase; no balcão com o chefe Jun (R$450), em outro balcão ao lado com o chefe Ryuzo Nishimura (R$420) e o Omakase nas poucas mesas que o restaurante possui (R$370). Ao fazer reserva, nos foi informado que o Enzo não poderia participar do Omakase nos balcões devido à idade dele, então fechamos na mesa mesmo. Do 1o ao 20o prato (3 pratos quentes / 16 sushis / sobremesa) tudo estava perfeito. É quase impossível achar defeito, pois tudo estava muito bom, digno da estrela Michelin que o restaurante possui. Os peixes estavam muito frescos e chegavam à mesa um a um, feito na hora para maximizar o sabor dos sushis. Destaque para o sushi de atum, o sushi de tempurá de enguia e sushi de vieiras canadenses com limão e azeite trufado. É tudo tão bom que fica ate difícil comer os japoneses do dia-a-dia. Para quem já foi ao Japão, o restaurante e o ambiente remete um pouco o que vimos lá; restaurante pequeno, sem muita decoração e bem reservado, mas o clima é muito aconchegante e intimista (do lado de fora nem parece um restaurante, e sim uma garagem de uma casa qualquer). Vale uma menção o atendimento das pessoas dentro do restaurante. Do momento que você chega até o último minuto lá dentro você é super bem tratado, mesmo não estando nos balcões com os chefes mais renomados. O atendimento do Daniel foi espetacular, explicando ao Enzo com toda paciência do mundo cada sushi e depois respondendo as mil perguntas que ele tinha sobre cada prato que era servido. Chegou ao ponto de verem a dificuldade do Enzo em comer os sushis maiores e perguntar se podia fazer os mesmos um pouco menor para facilitar (o que foi prontamente atendido pelo chefe).

Dia 2 – Feira da Liberdade – Rua 25 de Março – Mercado Municipal de São Paulo – Almoço no Hocca Bar – Museu do Catavento – Jantar no Jamie´s Italian

Começamos nosso dia no Bairro da Liberdade, mas especificadamente na feira que acontece lá todo sábado e domingo. Considerada um pequeno pedaço da Ásia em São Paulo, a Feira da Liberdade é muito famosa não só pelas suas famosas barraquinhas de alimentação, mas também devido às várias lojas vendendo produtos asiáticos de tudo quanto é tipo. Engana-se quem acha que a Liberdade só representa a cultura japonesa; o bairro tem uma mistura de várias culturas asiáticas (inclusive muitas lojas de produtos chineses). Começamos pelas barraquinhas de comida; pedimos um pastel em umas das várias disponíveis e um Okonomiyaki de Camarão, que nada mais é que uma panqueca aberta com muito repolho, outros legumes e nesse caso camarão. Nós focamos mais na feira, lojas e barraquinhas, mas o que não falta são atrações para toda a família. Entre os mais famosos estão o Museu Histórico da Imigração Japonesa, o Palacete Conde de Sarzedas, o Jardim Oriental e dezena de lojas, mercados e restaurantes; segue alguns: Livraria Sol, o Tanka Restaurante, o Momo Lamen, o Sushi Isao, o Izakaya Kintaro, o Empório Azuki, as lojas Tenman-ya e Omiyague, e muitos outros.

Nossa próxima atração seria o Farol Santander, que tínhamos descoberto estar mostrando a feira “Futuro Espacial”, apresentando vários itens usados pela NASA em suas missões espaciais. Vacilamos e não compramos o ingresso antecipado; péssima escolha, pois não conseguimos entrar. Fica pra próxima. O Farol Santander também conta com várias outras atrações, como outras exposições, mirante, cafés e restaurante.

Como iríamos andando para o Mercado de São Paulo, acabamos passando pela 25 de Março. Conhecida como um dos maiores centros comerciais de toda a América Latina, estima-se que aproximadamente 400 mil pessoas passam por aqui diariamente, quase dobrando em épocas especiais. A 25 de março é um verdadeiro paraíso para quem gostar de comprar. Passamos por lojas de tudo que você pode imaginar; bijuterias, artigos para festas, cosméticos, roupas íntimas, fantasias, enxoval para bebês, produtos para a casa, artigos de vestuário, calçados, eletrônicos, artigos esportivos e um tanto de outras coisas. Além de tudo, existem centenas de camelos vendendo seus produtos no meio a rua, fica até difícil de andar em alguns lugares. Leve dinheiro vivo, pois é importante pechinchar para conseguir preços melhores (importante mencionar para tomar cuidado com celular, carteiras, etc).

Depois de andar entre milhares de pessoas na 25 de Março e arredores (além de fazer umas compras) chegamos ao Mercado Municipal de São Paulo. Inaugurado em 1933, o mercado é a cara de São Paulo, com suas de comidas típicas de várias regiões, sotaques e a mistura de culturas de todo o Brasil. O mercado também oferece uma variedade imensa de bares e restaurantes, além de muitas barraquinhas de produtos alimentícios e os famosos vendedores de fruta. Aliás é importante mencionar os mesmos; leia sobre os vendedores de frutas na internet e você verá centenas de relatos de como pessoas foram passadas para traz. Não significa que você não poderá provas as frutas, até porque e quase impossível andar pelo mercado sem ser interrompido por vários vendedores oferecendo todos os tipos de frutas possíveis. Só tenha cuidado se for comprar alguma fruta. Pergunte antes o valor do quilo e tenha certeza que você viu ser pesado. Independente disso, não conhecer o mercado é deixar um pouco da tradição de São Paulo para trás. Agente, que sempre tenta visitar os mercados nas cidades onde visitamos, entendemos que experimentar o famoso sanduíche de mortadela e os gigantescos bolinho e pastel de bacalhau é essencial em qualquer visita a São Paulo. Não vá com pressa, é tenha muita paciência, pois vive lotado.

Almoçamos dentro do mercado, no Hocca Bar. Ótima opção, talvez a mais conhecida dentro do mercado. É importante mencionar que é normal ter uma fila enorme esperando mesa, então se realmente quiser ir aqui vá com um pouco de paciência. Entretanto, depois que você senta o atendimento e os pratos são bem rápidos, até porque devido a fila eles tem de girar as mesas bem rápido. Não podíamos deixar de pedir o famoso sanduíche de mortadela, que mesmo sendo gigante é bem caro. Apesar de ser famoso pelo sanduíche de mortadela, existem várias outras opções (o de pernil parece muito bom). Como estávamos ali pelo sanduíche de mortadela pedimos o Mercadão 1933 (Mortadela Chapeada, Queijo Derretido e Mostarda R$43,20) dentre as 3 opções. As outras opções eram o Belíssima 1975 (Mortadela Chapeada, Queijo, Tomate Seco e Orégano R$43,20) e o Bela Salada 1939 (Mortadela, Queijo, Maionese Temperada, Alface e Tomate R$43,20). É bem gostoso e serve dois sem muita fome. Mas não tem nada de especial, o diferencial é a mortadela, cortada bem fininha e empilhada em um pão de sal normal. Valeu pela experiência, mas não sei se voltaríamos, especialmente por causa da fila e do preço, que não condiz com um pão com mortadela, mesmo sendo bem gostoso. Com certeza há outros tão bom quanto em São Paulo, talvez até dentro do mercado mesmo. O Hocca também é famoso pelo pastel e pelo bolinho de bacalhau gigantes, mas não comemos, ficamos só no sanduíche mesmo.

Saímos do Mercado e fomos para o Museu Catavento (aproximadamente 5 minutos a pé). Passeio muito indicado para quem está com criança em São Paulo. Mágico para os pequenos que gostam de Ciência. O Enzo adorou o Museu, apesar de estar somente com algumas áreas abertas, e mesmo assim não tendo todas as atrações disponíveis. Os monitores que lá estavam foram ótimos, ajudando as crianças a entenderem as atrações, já que muitas são interativas. Importante mencionar também que muitas das atrações, além de divertir, também educam as crianças. O Museu é super bem organizado, com explicação para tudo, sem contar que o preço do ingresso é muito justo. Vale mencionar também que o prédio em que o museu está situado é bem legal. É extremamente importante ligar e marcar a visita, pois pelo menos durante a pandemia, existe um grande risco de você não conseguir entrar caso não agende. Ao ligar pergunte também sobre o funcionamento, pois como tem tanta coisa fechada, você pode se frustrar (principalmente se já estiver ido quando tudo estava aberto).

Jantamos no Jamie´s Italian; grande decepção da viagem. Estávamos em São Paulo na época da inauguração e amamos o restaurante. A comida, atendimento, ambiente, era tudo sensacional. Achávamos que estávamos indo para outro grande jantar; grande decepção.

Dia 3 – Avenida Paulista – Almoço no Gula Gla – Museu do Futebol – Jantar no Fast Cow

Dia 4 – Café no Padoca do Mani / Beco do Batman / Museu da Ilusão / Almoço no Shopping Eldorado / Parque Vila Lobos / Jantar na Pizzaria La Veridiana

Dia 5 – Parque Ibirapuera / Almoço no Kinoshita / Sala IMAX Bourbon Shopping / Jantar no La Guappa

Restaurantes

Galeria

Vídeos